Quer marcar uma conversa e saber mais?
MARQUE UM SKYPE COMIGO, SEM CUSTO

De 30 a 40 minutos de papo pra você conhecer o trabalho,

me conhecer também, contar um pouco de você e saber 
se é isso o que você precisa agora

CONVERSAS QUE CONECTAM é um produto Diálogos Corajosos • Todos os direitos reservados

  • Facebook - Black Circle
Conecte-se comigo:
Que tal se inspirar?
Eu publico vídeos,
artigos, reflexões e técnicas para você
aplicar sozinha(o):
www.dialogoscorajosos.com.br/blog
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle

@

CONVERSAS

que conectam

COACHING ONTOLÓGICO + COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA + FOCUSING
para construir seu jeito de viver bem
 

Conversas e práticas reflexivas, sensoriais e meditativas para quem está inquieta(o) para:
 

  • tomar uma decisão importante e não sabe o melhor rumo

•   melhorar os relacionamentos com família, namorado(a), amigos ou no trabalho

•   reduzir a autocrítica para seguir em frente com mais leveza

•   encarar conversas importantes com mais clareza, verdade e compreensão

•   (re)descobrir o que traz significado, paz e entusiasmo na vida

• cuidar melhor da própria saúde e bem-estar 


Não é para quem bem que gostariiia, mas está com preguiça ou sem tempo para isso.

É para quem está no pique de se investigar em papos e atividades

e também quer arregaçar as mangas, levantar do sofá, para 

fazer da vida um laboratório que te permite construir o próprio caminho. 

"É tornando-se um novo observador que novas oportunidades para ação podem surgir"

Julio Olalla

 

DURAÇÃO DO PROCESSO:

Varia muito: pode ter 8 encontros, como também pode demandar meses de trabalho. Depende do seu ritmo

TEMPO E FREQUÊNCIA:

90 minutos por encontro;

uma vez por semana

LOCAIS DE

ENCONTRO:

Skype ou presencial,

em São Paulo (SP)

O QUE ACONTECE, NA PRÁTICA?

O processo acontece ao criarmos juntos um espaço de confiança e de conversas qualificadas, em que estão presentes diálogos, atividades reflexivas, meditações guiadas voltadas para a escuta do corpo, como também ou experimentos vivenciais criados para o processo. 
 
Neste trabalho, eu te apoio fazendo perguntas, propondo práticas e conduzindo diálogos internos meditativos que contribuem para você se escutar, perceber o que realmente é importante para você, construir seu caminho de aprendizagem, colocar a mão na massa e se sentir mais em paz com quem você é ou deseja ser.

Não sou, porém, sua mentora: meu papel não é te aconselhar ou orientar; mas sim, te ajudar a olhar para dentro de si para, depois, atuar de um jeito que cuida de você, ampliando suas possibilidades de ação no mundo, indo além de rótulos, visões pré-concebidas que limitam sua potência de vida.

Talvez você tenha em vista um sonho, uma meta, uma decisão a tomar. Nosso objetivo, neste trabalho, é explorar esta meta, aprender no caminho, testar na vida e encontrar seu novo ponto de equilíbrio. O processo é orientado por ciclos: você se coloca uma pergunta ou desejo e vamos trabalhar este aspecto até você sentir que a questão está cuidada.
Por isso, essas são conversas que conectam. Conectam sua fala com os significados mais profundos que ela revela. Conectam você ao que seu corpo diz. Conectam seu presente ao futuro desejado. Conectam o fazer ao refletir e ao sentir. E também conectam comigo, de ser humano para ser humano, em um ambiente de escuta profunda, empatia e autenticidade.

METODOLOGIA

Este é um processo de Coaching Ontológico combinado com Comunicação Não Violenta (CNV) e Focusing. Vou te contar sobre os princípios de cada um.

TRIPÉ DO COACHING ONTOLÓGICO

consciência

responsabilidade

aprendizado

TRIPÉ DA CNV

autenticidade

empatia

autocompaixão

O Coaching Ontológico é uma linha de estudo criada por pensadores chilenos, especialmente Rafael Echeverría, Fernando Flores e Julio Olalla. Esta linha de coaching, que tem como foco o estudo do "ser", entende que as nossas inquietações e desejos nos convidam a ampliar a consciência sobre nós mesmos. Para isso acontecer, o convite é aprender a praticar a auto-observação consciente. Isso significa passar a enxergar os próprios modelos mentais, se ver em ação, ouvir as próprias palavras, escutar o próprio corpo e perceber suas necessidades e vontades. Tomando consciência, abre-se espaço para que você faça escolhas se assumindo autor delas. O terceiro movimento é experimentar caminhos de aprendizagem que, passo a passo, levem à autocriação. Aqui todo desejo ou inquietação é entendido como um bom ponto de partida para se conhecer e construir seu jeito de viver de forma autoral, coerente e em paz consigo.
Neste trabalho, o Coaching Ontológico é combinado aos princípios da Comunicação Não Violenta, teoria desenvolvida a partir dos anos 1960 pelo psicólogo social norte-americano Marshall Rosenberg. A CNV coloca foco em como estabelecer conexão consigo (desenvolvendo a capacidade de oferecer empatia e compaixão para si) para conseguir cuidar das próprias necessidades de forma autêntica e responsável, tomar posse das próprias intenções e emoções e, principalmente, humanizar a relação consigo e com os outros. 
 
Incluo neste mergulho o Focusing, modelo criado pelo psicólogo Eugene Gendlin que, assim como Rosenberg, foi orientado por Carl Rogers, criador da psicologia humanista. O Focusing é um caminho para resolver questões a partir da escuta da sabedoria do corpo, aprendendo a sustentar uma atenção aberta, curiosa e não julgadora para o seu próprio mundo interno. Usando a "linguagem da presença", você vai poder escutar a si como talvez nunca tenha feito e poderá criar um relacionamento interno cheio de insights.
Ouvindo a si mesmo com tanta abertura e aceitação, surge espaço para construir, de dentro para fora, uma vida permeada do que te faz bem e que cuida dos seus valores.

CAROLINA CASSIANO

Sempre fui apaixonada pela linguagem.

Trabalho com a palavra há 19 anos, muitos deles como jornalista e como gestora de pessoas.

Nesses anos, passei a investigar o poder dela, da linguagem, para criar realidade, transformar relacionamentos, cuidar de si, mudar a vida.
Estudei muitas teorias e processos e hoje atuo como facilitadora de processos de autodesenvolvimento baseados no uso de linguagens: seja a linguagem da fala, do corpo e dos silêncios. Ao apoiar muitas dezenas de pessoas com este processo de Conversas que Conectam, percebi que me tornei uma "mediadora de diálogos internos", como gosto de chamar. E nesse papo, eu percebo, as pessoas se conectam consigo e com a vida – e isso me alimenta profundamente.